7 A 10 DE SETEMBRO
Expo Center Norte - SP
Entrar / Cadastrar

TELEVENDAS: (11) 3181-5197

WHATSAPP: (11) 97961-0275

Início NOTÍCIAS Semana da Podologia Coloque um fim nos fungos da pele e das unhas dos pés

Coloque um fim nos fungos da pele e das unhas dos pés

0
11655

 

Micoses são doenças causadas por fungos e quando encontram condições favoráveis, como umidade e calor, se reproduzem com facilidade. Os pés são áreas cutâneas constantemente submetidas à ação do calor e umidade, o que facilita a infecção fúngica. Esses dados podem ser comuns aos podólogos, mas será que todos sabem que as micoses acometem cerca de 20% da população?

É por isso que os profissionais dessa área têm um grande desafio e devem levar muito a sério a Micologia Clínica, ou Estudo dos Fungos, devido ao grande número de pessoas com a área dos pés infectada por fungos e pela dificuldade em sanar o problema. “Os podólogos precisam estar capacitados para olhar a deformação e distinguir se ali é uma micose ou não, pois existem outras doenças como a alopecia ungueal, o líquen plano e a psoríase que parecem micoses, mas não são. Mesmo tendo a mesma característica clínica, os tratamentos são distintos. Por isso, há pacientes que tratam micoses há anos e nunca curam o problema e isso ocorre por conta de diagnóstico equivocado. Infelizmente, ainda há muita negligência e falta de conhecimento nessa área. É mais fácil conter uma infecção bacteriana do que uma infecção fúngica. Fungos são cosmopolitas, pois ocorrem em qualquer lugar, em qualquer clima e têm uma capacidade de adaptação muito grande”, ensina o podólogo e professor Ítalo Batista Ventura da Silva.

Diagnóstico: é preciso realizar da forma correta
Para diagnosticar a presença e qual o tipo de fungo é fundamental que o paciente seja submetido ao exame micológico, sendo que a parte mais importante desse exame é a coleta. “A coleta é de competência do podólogo, que precisa colher material suficiente. Quando o exame vem com o resultado falso negativo é porque o material não foi suficiente para o diagnóstico. A preparação para essa coleta é um protocolo sério”, reforça. Ítalo comenta ainda que é preciso informar ao paciente que, no dia da coleta, ele não pode usar sabão ou cremes que possam mascarar o

 

resultado. Pessoas que usam medicamentos via oral devem suspender uso 30 dias antes da coleta de material para o exame. Já medicamentos tópicos devem ter seu uso suspenso por 10 dias. O especialista recomenda que o profissional podólogo mantenha parcerias com laboratórios sérios. “É importante que o laboratório não terceirize o serviço de análise para garantir a precisão no resultado. Além disso, o micologista que analisa o fungo deve ser especialista nisso. Um resultado positivo não diz nada; é necessária uma descrição do fungo encontrado. O podólogo, por sua vez, precisa estudar para traduzir a descrição do exame e saber qual o caminho do tratamento. Com esses passos feitos de maneira correta, o podólogo tem uma direção e a cura é mais garantida”, explica.|

Conheça alguns tipos de micoses e esteja familiarizado com o assunto

– Tíneas: são todas as micoses causadas por fungos dermatófitos, que parasitam a pele e também têm afinidade pela queratina. Podem acometer a pele ou as unhas.

– Micoses por contaminação: são todas as micoses causadas por fungos não-dermatófitos, que são fungos oportunistas encontrados na natureza e podem causar doenças no ser humano que apresenta baixa imunidade. O fungo Fusarium, por exemplo, tem afinidade pelo solo e é o mais comum nas unhas e pode ser encontrado em lavouras de feijão, soja e milho.

– Leveduras: são fungos originários do corpo humano e importantes para a nossa saúde. Não costumam causar doenças, mas a baixa imunidade pode provocar um descontrole, fazendo com que o corpo apresente manchas na pele e unhas dos pés. Nesses casos, o tratamento não é através de um podólogo, mas os profissionais dessa área devem estar habilitados para reconhecer e encaminhar esse descontrole para a área médica.

 

Parceria podólogo e médico
Mesmo com o tratamento feito pelo podólogo, normalmente os fungos mais resistentes precisam ser tratados com antifungos de via sistêmica, ou seja, medicamentos de via oral. Esses medicamentos só podem ser prescritos por médicos, já que o paciente precisa realizar exames de prova hepática, devido ao uso prolongado e composição química forte dos medicamentos.

 

Você sabia que…
A podologia trata os fungos em três etapas:

1 – Profilaxia das unhas: é o cortar, o lixar e o limpar das partes distróficas das unhas. É retirada toda a parte visivelmente afetada pelo fungo para que o tratamento tópico tenha resultado satisfatório.

2 – Tratamento tópico: esse tratamento pode ser realizado com fitoterápicos, como óleos
essenciais, ou com as drogas farmacêuticas catalogadas no MIP – Medicamentos Isentos de Prescrição.

3 – Fototerapia: é quando o podólogo usa laser ou o LED para combater o fungo. Com a luz, o fungo entra em processo de oxidação celular e acaba morrendo. Ele perde a força para sintetizar seus componentes celulares, o que provoca um defeito no DNA e o fungo morre.

 

Inscreva-se no 11º Congresso de Podologia

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu nome aqui
Por favor digite seu comentário!