Diogo Yuba: Autodescobrimento através do corte

0
371

Dois anos separam o início da carreira e as conquistas de Diogo Yuba que se descobriu na vida através das tesouras


Diogo Yuba (@diogo_yuba) é uma daquelas pessoas que está sempre em busca de algo mais. Nascido e criado na capital paulistana, o cabeleireiro passou por várias cidades do País, já residiu na Europa e no Japão e viajou para mais de 18 países. Nesse tempo, teve diversas profissões, da área de vendas à culinária, mas seus trabalhos preferidos sempre foram os  manuais e de contato com o público. Há dois anos, escolheu ser cabeleireiro e desde então se vê fazendo o que mais ama e trata o corte de cabelo – área da profissão que mais gosta – com naturalidade, praticidade e com a cara do cliente.

Uma vida feita de escolhasEm 2017, em meio a uma reviravolta em sua vida pessoal, Diogo descobriu sua verdadeira paixão depois de ser instigado a pensar na profissão por meio de uma profissional da área. “Ela olhou pra mim e disse ‘acho que você tem cara de cabeleireiro, você poderia experimentar”, relembra.

Na época, a indicação não pareceu interessante, mas com o passar do tempo, ele mudou de ideia. “Voltei a morar em São Paulo, mas não conseguia me encaixar na cidade e na área profissional. Lembrei da Carla Neves e foi quando, por um clique, me apaixonei pela profissão”, disse.

Assim que começou a estudar as técnicas, passou por um conflito pessoal e decidiu não trabalhar fazendo químicas e, por conta disso, achava que não se encaixaria nos padrões de mercado da profissão. “Existia um conflito interno bem grande, pois se fosse algo que não me fizesse bem ou feliz eu não queria fazer”, diz sobre as exigências e necessidades do mercado que encontrou.

Deixou de lado a complexidade das químicas e começou a atender em casa. Em meio a cortes e atendimentos personalizados, fez os primeiros contatos profissionais através das redes sociais, espaço onde também se destacou. “O Ricardo dos Anjos viu meu perfil nas redes e me chamou pra conversar. Além de ser uma pessoa que eu admirava, ele me recebeu tão bem, me deixou tão a vontade para dizer qual era a ideia do meu trabalho, minha filosofia, que foi libertador quando as coisas começaram a acontecer e eu entrei para o salão”, conta Diogo.

Dia a dia do salão
“A minha filosofia de trabalho é tratar as coisas de um jeito mais natural. O meu trabalho é mais minimalista”, resume Diogo que é a favor de que as clientes assumam sua própria identidade para que, ao sair do salão, ela possa se arrumar da mesma forma sozinha. Para ele, os relatos de pessoas que se sentiam felizes reproduzindo o que tinham feito no salão não foi visto só como uma oportunidade, mas como uma ajuda. “O cabelo que eu fizer é o que o cliente vai conseguir fazer em casa, porque é desse jeito que a pessoa é, naturalmente”, enfatizou o paulistano.

Trabalho e futuro
Há seis meses trabalhando na House of Beauty, salão de Ricardo dos Anjos, Diogo revela que tem estudado muito e almeja fazer cursos internacionais para chegar à perfeição. Ele sabe que a jornada pode ser difícil, mas espera chegar no mesmo patamar de suas referências, Ricardo dos Anjos, Gabriel Sorribas, Mariana Gorini, Neandro Ferreira, Rodrigo Vizu, Everton Andrade. Outro sonho do cabeleireiro é expandir o autoconhecimento através de sua história. “Tenho o desejo de passar às outras pessoas meu testemunho, minha história, o que eu sei fazer e como fazer, talvez em um curso ou em palestras voltadas para a vida profissional e pessoal. Quero falar sobre as dificuldades mas, sobretudo, sobre minimalismo e que a cliente pode ser linda e maravilhosa na simplicidade”, finalizou.

Confira alguns de seus trabalhos:

 

Por Isabela Lessak
Fotos: Arquivo Pessoal

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui